Aumentar a Imunidade é prevenção!

Em tempos de pandemia (essa frase ficará na história), é muito importante termos a noção do quão importante é manter nosso corpo sadio e com alta imunidade para se prevenir de gripes, resfriados e até mesmo do Corona Vírus.
Por isso, nós do Super Lazzari unimos as principais dicas de como aumentar a sua imunidade por meio da alimentação e de novos hábitos. Lembrando, que quando se trata de alimentação, você encontra o que precisa em nossas lojas.

O que é imunidade?
Uma maneira fácil de explicar é que o sistema imunológico nada mais é do que uma defesa do organismo contra agentes infecciosos. Ou seja, é um conjunto de células de defesa e tecidos especiais que é responsável por proteger nosso corpo contra bactérias, vírus e outros micro-organismos nocivos presentes no ar.
Existem alguns fatores que podem aumentar a imunidade, como alimentação e sono adequados, entre outros hábitos saudáveis que vamos falar um pouco melhor logo abaixo.

Os sinais da imunidade baixa
A baixa imunidade é uma das principais causas de doenças leves nas pessoas. Assim, se você constantemente sente gripes e resfriados, por exemplo, isso quer dizer que o seu organismo não está produzindo as células de defesa do corpo.
Alguns dos sinais da imunidade baixa são:
- Infecções constantes;
- Cansaço excessivo;
- Vômitos, diarreia e náusea;
- Febre e calafrios.
Agora que você já tem em vista todas essas informações, vamos finalmente conferir as dicas para aumentar a imunidade?

8 dicas para aumentar a imunidade

1. Invista em uma alimentação adequada
Você sabia que existem alguns tipos de alimentos que podem ajudar a aumentar a imunidade? Olha só:
- Gengibre: rico em antioxidantes e com propriedades antibacterianas, o gengibre é uma boa opção para quem está buscando fortalecer o organismo;
- Alho: o alho é fonte de alicina, substância que estimula a resposta imunológica;
- Cebola: é rica em substâncias anti-inflamatórias, antivirais, antiparasitárias, antibacterianas e antifúngicas, como a alicina, que ainda reduz o risco de alguns tipos de câncer, como o de boca, laringe, esôfago, cólon, mamas, ovário e rins. Por isso, é um ótimo remédio para afastar gripes, resfriados e infecções em geral.
- Iogurte: a versão natural, feita apenas de leite e fermento lácteo, é fonte de micro-organismos que contribuem para o equilíbrio da microbiota intestinal. Isso auxilia o sistema imunológico na luta contra infecções e bactérias ruins. Outros alimentos fermentados, como chucrute e conservas artesanais também ajudam a balancear a flora intestinal. Além disso, são fontes de cálcio e vitamina D, que ativam as células que combatem às infecções intracelulares;
- Frutas cítricas: as frutas cítricas, como a laranja, o limão, a acerola e o kiwi, por exemplo, são ricos em vitamina C, dando um reforço extra à imunidade. No entanto, para obter esses benefícios, é necessário consumir a vitamina sempre —e não apenas quando já se está doente. Como a vitamina C "se perde" quando exposta a luz e o calor, é importante que a fruta seja consumida imediatamente após aberta, para não reduzir muito seu valor nutricional;
- Sementes de girassol: a semente de girassol possui uma grande quantidade de vitamina E, que melhora a imunidade e protege nosso corpo contra substâncias tóxicas;
- Geleia real: recheada de antioxidantes e nutrientes, a geleia real traz diversos benefícios à nossa saúde;
- Pimenta e cenoura: isso porque ambas são fontes de betacaroteno, que se transforma em vitamina A e ajuda a proteger o organismo contra infecções;
- Alimentos ricos em zinco: aqui entram a carne, os cereais integrais, sementes, leguminosas (feijão, grão de bico, ervilha) e sementes. O zinco é um forte aliado no combate a gripes e resfriados.
- Vegetais verde-escuros ou folhosos: de forma geral, são muito ricos em diversos minerais e vitaminas, como potássio, ácido fólico, magnésio, vitamina K, dentre outros. Couve, chicória e espinafre, por exemplo, também são fontes de fibras, que ajudam no funcionamento do intestino e na manutenção da microbiota intestinal, pois servem como "alimento" para as "bactérias boas" que colonizaram nosso intestino;
- Mel: misturar o produto com o gengibre ou limão é importante para a prevenção de infecções de vias aéreas superiores, principalmente. Além de ser fonte de vitaminas, minerais e flavonoides (antioxidantes), o mel é bactericida e ajuda no combate a infecções. O alimento é alternativo para a vitamina de frutas, o leite, o cereal. Só consuma com moderação, pois ele é rico em carboidratos simples e, em excesso, pode engordar;
- Castanha-do-Pará: é fonte importante de selênio, um mineral antioxidante que neutraliza a ação de radicais livres, espécie de lixo produzido pelas células. Também é rica em vitamina E, outro antioxidante que previne o dano em membranas celulares. Apenas não exagere. O alimento é calórico e o excesso de selênio pode provocar intoxicação. Os nutricionistas recomendam comer uma castanha por dia;
- Própolis: contém proteínas e compostos com capacidade de alterar e regular o sistema imunológico, além dos benefícios de ser antibacteriano e antiviral. O própolis ativa os passos iniciais da resposta imune estimulando receptores específicos e a produção de citocinas, que modulam os mecanismos da imunidade;
- Óleo de coco: o ácido láurico e o ácido cáprico, presentes no óleo de coco, tem a propriedade de modular o sistema imunológico, agindo contra fungos, vírus e bactérias. Além disso, uma forma indireta de ele contribuir com a imunidade está na melhora do trabalho do intestino ao eliminar as bactérias ruins.

2. Priorize o seu sono
Dormir adequadamente não pode ser considerado um luxo. Isso porque a privação do sono pode ser um dos principais fatores que causam a imunidade baixa.
O corpo humano precisa do período correto de descanso para repor as energias. Por isso, dê mais importância para a qualidade do seu sono: lembre-se que o recomendado é cerca de 6 a 8 horas por noite.
Como saber se você tem uma boa noite de sono? Um indicador disso é acordar bem-disposto e pronto para o dia, sentir-se bem para realizar as atividades diárias. Em geral, a maior parte das pessoas precisa de sete a oito horas de sono. Porém, existe quem fique bem com cinco ou seis horas na cama e aqueles que precisam dormir por nove horas.

3. Fuja do estresse
Assim como o sono e a alimentação inadequados, o estresse excessivo também pode ser um dos principais responsáveis pela baixa imunidade. Isso porque as tensões do trabalho ou até mesmo do dia a dia podem impedir que as células do seu corpo funcionem adequadamente, dando espaço para o surgimento de doenças.
Assim, mesmo que pareça difícil fugir do estresse cotidiano, procure sempre investir em atividades que te fazem bem. Seja um exercício físico, música, leitura ou qualquer outra coisa. O importante é distrair a mente!

4. Hidrate-se corretamente
Não espere sentir sede para beber água: a ingestão de líquidos retira o excesso de impurezas do organismo e ajuda a prevenir doenças. Além disso, se você costuma praticar exercícios físicos, é muito importante redobrar os cuidados com a hidratação, já que a perda de líquidos é ainda mais intensa nesses casos.
A quantidade de consumo de água por dia pode variar, a depender de fatores como a idade e o peso de cada pessoa, bem como o clima e a temperatura de onde ela vive. Mas segundo o Guia Alimentar da População Brasileira, do Ministério da Saúde, o ideal é ingerir no mínimo dois litros de água por dia.

5. Evite o fast-food
Os alimentos ricos em gordura saturada, sal, açúcar e aditivos químicos contribuem para o ganho de peso, elevam os riscos de problemas de saúde e podem afetar a imunidade, conforme apontou um estudo publicado no Nutrition Journal. Quando o corpo é inundado dessas substâncias, aumenta-se a inflamação no organismo, ao mesmo tempo em que diminui a capacidade do sistema imune de responder a esse ataque e controlá-lo. Sem falar que ao comer fast-food sempre você deixa de ingerir alimentos ricos em vitaminas e antioxidantes importantes para o bom funcionamento do sistema imunológico. Distúrbios gastrointestinais como diarreias frequentes e gastrites também.

6. Sedentarismo e Excesso de Exercícios
Um cardápio saudável e a prática regular de atividade físicas ajuda bastante a aumentar a imunidade e manter o organismo forte, mas é preciso ficar atento a algumas atitudes que podem minar esse sistema de defesa. Entre os principais fatores que provocam uma queda na imunidade o sedentarismo ou o excesso de atividade física. Exercícios prolongados geram um grande estresse no corpo.
Como dito, o treino regular é importante para deixar a imunidade preparada para enfrentar as batalhas rotineiras. Mas entenda que toda atividade física é uma agressão ao organismo e gera um processo inflamatório — e é justamente ao se condicionar para combater isso que as defesas do corpo aumentam. Só que quando o exercício é prolongado (acima de uma hora) ou não há descanso suficiente entre um treino e outro o estresse no corpo é tão grande que há uma queda no sistema imune, que precisa trabalhar excessivamente para minimizar os prejuízos do excesso de atividade física. Se você prática modalidades que exigem se exercitar por mais de 60 minutos, é muito importante respeitar o período de descanso entre os treinos e manter uma alimentação saudável, rica em verduras, legumes, frutas, carnes, ovo, além de se hidratar muito bem. Dependendo do caso, também pode ser necessário a suplementação de vitaminas e minerais, que deve ser feita com orientação de um nutricionista.

7. Repense em Parar de Fumar
Os componentes do cigarro liberam substâncias inflamatórias que vão demandar um grande trabalho do sistema imune —que pode não ter "forças suficientes" para combater vírus e bactérias enquanto está ocupado com isso. Mais: o tabagismo altera a função mucociliar, sistema composto pelo muco e por células com cílios responsáveis por "varrer" germes e sujeiras que entram no corpo por meio da respiração. Isso altera a capacidade do organismo em eliminar agentes infecciosos por meio do catarro e predispõem a um maior aparecimento de doenças.

8. Evite o uso desnecessário de medicamentos
Esse é um pecado cometido por muitas pessoas, até mesmo inconscientemente. No entanto, o consumo de medicamentos sem uma real necessidade pode afetar os anticorpos e todo o sistema imunológico.
O uso indevido de antibióticos, por exemplo, acaba sendo prejudicial por aumentar a resistência de algumas bactérias. Não é por acaso que esse tipo de medicação entrou para a lista dos remédios controlados.
Por isso, nada de “aproveitar” os comprimidos que sobraram na gaveta, a não ser em casos que o consumo seja com prescrição e orientação médica!


Fontes:
https://www.unimed.coop.br/web/santabarbara/noticias-unimed/4-dicas-para-aumentar-a-imunidade-e-fortalecer-seu-organismo
https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2020/03/15/quer-melhorar-imunidade-veja-o-que-fazer-e-o-que-e-bom-evitar.htm
https://www.hipolabor.com.br/blog/baixa-imunidade-5-formas-de-melhorar-o-sistema-imunologico/
https://www.minhavida.com.br/alimentacao/materias/10833-18-alimentos-para-aumentar-a-imunidade-de-forma-natural

Últimos post